Capítulo 10: Problemas com a Produção

Um defeito trivial durante a produção do suposto primeiro lote da Lomo LC-A, em 1984, causou problemas durante a produção. Depois de extenso trabalho, os diferentes problemas que foram encontrados nas primeiras Lomo LC-A foram finalmente resolvidos e a câmera LOMO amada de todos foi finalmente capaz de produzir as lomografias que a tornou conhecida.

Antes da produção da primeira série de LOMO LC-A, em 1984 poder começar, tinha que ser precedida por uma segunda revisão dos modelos acima referidos (cerca de 50 modelos de ensaio em 1983). Curiosamente, a principal razão para esta falha não foram as graves dificuldades, causadas pela famigerada eletrônica, mas sim por um defeito trivial: o acabamento do obturador. Ao pressionar o disparador o obturador abre por uma fração de segundo e a luz passa através do filme. No entanto, neste caso, o problema foram os metais sobrepostos, deixando folhas grudadas, especialmente em ambientes úmidos. Esse problema foi detectado no primeiro modelo da Lomo LC-A, onde estão cerca de três anos depois, os compostos de revestimento ideal foram pesquisados e no final um acabamento de superfície prática foi passível de ser desenvolvido.

Parte do mecanismo do obturador foi montado em uma fábrica de relógios militares em Penza, a 600 quilômetros a sudeste de Moscou. Na época, a fábrica montava 7.000.000 relógios femininos por ano (uma encomenda, assim como com a LOMO PLC que havia sido feita por um ministro do governo bem-humorado) e, portanto, tinha grande experiência na produção de pequenas peças finamente detalhadas. Esta assumiu a montagem do obturador para a LOMO LC-A e 35 Smena.

O segundo problema de produção da LOMO LC-A foi a vinheta, a saber, as famosas “sombras” em cada um dos quatro cantos do chanfro e das fotografias, que a câmera estava produzindo. A LOMO LC-A é tão pequeno que não há apenas uma pequena quantidade de espaço entre a lente e o filme, e a imagem que é projetada pela lente de pequenas dimensões para o filme é muito grande, conseqüentemente, apenas uma parte da projeção, na verdade atinge a filme. Daí a vinheta característica que é marca distintiva de fotos lomo clássicas. As fotos que você conhece da LOMO LC-A é o resultado final de um extenso trabalho realizado sobre esta função. A princípio, a vinheta era tão pronunciada que partes inteiras das fotos eram cortadas. Essa falha foi até mesmo gravada em contratos oficiais da LOMO PLC. Pouco a pouco, porém a lente foi melhorada (lembrando os cálculos feitos pelo Lev Sakin em 1984) e outras modificações foram realizadas, e assim no final, a vinheta infame também foi aceita de forma satisfatória pelos Lomógrafos.

Veja o livro em toda sua glória aqui

written by ungrumpy on 2011-02-03 #lc-a #library #lomobooks #lomo-lc-a-big-book #excerpt

The Lomogon 2.5/32 Art Lens lets you widen your world – yet it isn’t any wide-angle lens. Designed to electrify escapades great and small, it’s your ticket to the definitive Lomography aesthetic. Sweet saturation, high contrast, cutting-edge optical quality, unique bokeh, super-speedy aperture mechanism – the Lomogon is the ultimate Lomo eye on the world. Head over to Kickstarter now to discover everything you need to know about our latest invention, and save up to 40% on its final retail price with our amazing Kickstarter specials!

More Interesting Articles