Minha Vida Analógica: Lidando Com A Sobrecarga Midiática

Uma coisa engraçada aconteceu comigo alguns anos atrás, quando larguei meu emprego de 15 anos como jornalista para escrever livros e tirar fotos: Eu pude pensar novamente. E eu devo isso tudo — ou quase tudo — a minha falta de exposição à mídia.

Como muitas pessoas, passo muito tempo da minha vida online, e, quando não estava desenterrando e procurando histórias sobre tendências culturais populares, eu estava lendo revistas. Às vezes lia de 50 à 75 revistas por mês e pelo menos três livros por semana. Mas foi quando eu realmente parei tudo que consegui desenvolver plenamente meu estilo fotográfico e ganhar confiança em meu trabalho.

Pode parecer contraditório, digo, como é possível compreendermos a dimensão do nosso trabalho sem sabermos o que mais está por aí? Na escola de artes, os alunos estudam história e profissionais experientes e, quando estes vão se tornar profissionais, as pessoas esperam que ele mantenha um certo padrão de qualidade na área profissional que atua. Mas será que esse excesso de exposição a mídia pode inibir o processo criativo, ao invés de encorajá-lo?

Por um ano e meio, me afastei de todas as revistas e jornais, quase todos os livros e passei pouquíssimo tempo online. Apenas o suficiente para responder meu e-mail e talvez fazer o upload de algumas fotos. Apenas assim minha imaginação (ou pelo menos o que eu imaginava que ela fosse) se libertou e floresceu. Minha cabeça estava livre do tumulto de outrora e eu estava sendo capaz, finalmente, de criar as imagens que via na minha cabeça sem ficar repensando a idéia ou imaginando se alguém iria gostar delas, a quem eu poderia ser comparada ou o que qualquer um pensaria.

Você não precisa trabalhar com mídia pra se sentir sobrecarregado por ela sem saber e eu acho que, às vezes, esse monte de informação acaba aleijando nossa confiança e nos fazendo duvidar de nossa visão de mundo.

Ocasionalmente leio algumas revistas e passo mais tempo online, mas estou bem mais ciente que a mídia pode afetar meu trabalho. E, a parte de folhear minha coleção de periódicos vintage e dos trabalhos que encontro aqui na Lomography e no Flickr, não presto muita atenção ao que está acontecendo no mundo da fotografia em geral. Às vezes, é melhor não saber.

O quanto suas imagens são influenciadas pela mídia ao seu redor? Compartilhe seus pensamentos e imagens comigo!

Pamela Klaffke atuava como jornalista em jornais e revistas e, agora, trabalha como escritora e fotógrafa. A coluna dela é publicada semanalmente na seção Lifestyle Analógico da Lomography Maganize.

written by pamelaklaffke on 2010-11-24 #lifestyle #holga-cfn #entrevista #estilo-de-vida #pamela-klaffke #kodak-epl-160 #coluna
translated by giuli

More Interesting Articles