Capturando Inspirações Experimentais com Paul Ismirnioglou e Sua Melhor Amiga Diana F+

Conheça Paul Ismirnioglou, de Vancouver! Ele descobriu suas inspirações e as capturou com a sua Diana F+! Paul compartilha com a gente suas documentações do seu dia-a-dia e seus experimentos usados com diferentes técnicas e outros truques únicos enquanto brinca por aí com a sua câmera analógica preferida!

Por favor, nos conte mais sobre o seu trabalho e o que você faz como um fotógrafo.

Eu no momento estou administrando algumas marcas divertidas (Generic Surplus, Urbanears, Retro Super Future, and Freshjive) para o Oeste do Canadá. A equipe com quem trabalho dá um super apoio à minha fotografia, o que me deu muitas oportunidades incríveis. Entre ir a encontros na Europa, dar início a marcas no Sul da Califórnia e visitar minhas lojas preferidas no Oeste do Canadá, o visual das paisagens é infinito. Uma grande parte do meu trabalho é venda, mas eu também tenho um papel criativo no processo de design e produção. Essa parte do meu trabalho me inspira a sair e fotografar. Fotografia é uma saída criativa para documentar visualmente a minha vida e compartilhar com o mundo. Eu experimento com a fotografia brincando com diferentes câmeras e indo e vindo do filme para o digital.

Quando você se interessou por fotografia?

Eu sempre fui inspirado por fotografia e câmeras. Eu na verdade comecei a fotografar casualmente com mais ou menos 7 anos. Nesse tempo eu percebi quão inspirado eu ficava em documentar o que eu via todo dia. Eu comecei a colecionar câmeras e a aprender mais sobre trabalhos e processos de diferentes fotógrafos. Com o passar do tempo, a minha coleção de câmeras aumentou e eu comecei a levar todas comigo para qualquer lugar que eu ia.

Qual é a sua década favorita (em estilo, moda, fotografia)?

1975-85 conta como uma década? Todos os meus estilos musicais e de moda vieram daí. As cores do final dos anos 70 ao minimalismo no movimento new wave até a metade dos anos 80 sempre chamaram a minha atenção. A tecnologia estava aumentando, mas era tudo baseado no formato analógico. As coisas pareciam mais experimentais com um toque mais pesado…

Você tem alguma câmera analógica? Conte pra gente como você e a sua primeira câmera se conheceram ou como você ficou atraído por ela.

Eu atualmente só uso câmeras analógicas. Porém, eu tenho ficado mais interessado em fotografar em digital novamente. Eu levo comigo uma Mamiya 7, Contax T2, Olympus XA e uma Diana todos os dias. Elas são tão importantes para mim quanto levar minha identidade, chaves e celular. Minha primeira câmera foi uma Rollie 35 que o meu pai escondeu por 25 anos. Parecia tão estranho que uma câmera tão pequena podia produzir fotos tão incríveis. Ela também me ensinou a levar uma câmera no meu bolso todos os dias. O engraçado é que essa câmera nunca funcionou de verdade. Mais tarde, eu investi na Olympus XA e o resto é história. Minha câmera preferida tem que ser a Mamiya 7. Essa câmera captura o que e como eu vejo o mundo.

Teve algum método especial com que você fotografou para criar esses lindos splashes de cor (no topo da foto) na foto que você mandou?

Sim. O método especial se chama “acidente feliz”. Na verdade, eu não sei exatamente o que aconteceu. Eu acho que eu estava tirando essas fotos com o Lomography Ringflash. Ao invés de colocar o Ringflash na Diana, eu o segurei com a minha mão. Eu realmente não tinha ideia em como as fotos iam ficar e essa é a minha parte preferida…

Como foi a sua experiência usando a Câmera Diana F+?

É definitivamente como achar a sua nova melhor amiga. Minhas outras câmeras têm um motivo tão específico para mim, mas a natureza de desconstrução e manual da Diana me permite usá-la menos como uma câmera e mais como uma ferramenta divertida. Eu experimento mais com essa câmera. Ela me permite ser livre e não saber o resultado até eu pegar o meu filme. É definitivamente uma ótima parte do processo.

Qual é a sua opinião sobre analógico vs digital?

Eu acho que, se você tira fotos, você precisa usar os dois. Eu fotografo com filme porque eu amo a forma como eu me sinto e parece que a gente dá mais valor para as imagens. Me faz realmente pensar sobre a foto. O processo de revelar e escanear suas próprias fotos pode gastar muito tempo e ser caro. Eu sou bem cuidadoso com a composição. A foto tem que realmente significar algo para mim. Se eu pudesse ter uma equipe de assistentes e verba ilimitada, eu só fotografaria de forma analógica. Nada se compara às cores e o que você sente com o seu filme preferido. Quando você captura uma foto no filme, ela é verdadeiramente como um sonho. Algum dia você terá que investir em uma câmera digital com enquadramento total/médio formato se você está planejando em ter a fotografia como o seu trabalho.

Qual foi o seu lugar preferido para fotografar em Vancouver?

Eu gosto muito de fotografar pela cidade. Vancouver é tão compacta que não é muito o local que importa pra mim. Tem tudo a ver com o momento, o rosto ou o sentimento da hora.

Se você pudesse sair de férias agora para tirar fotos, para onde seria e por que?

Eu me interessaria muito em ir para a Índia. A cultura, o povo e a constante descoberta do desconhecido me inspiram. A população comprimida é tão abundante que eu acho que sempre teria algo para fotografar. Uma tela sempre mudando e sendo reinventada.

*Que tipo de histórias você quer que o seu público veja sobre as suas fotografias?

Eu quero lembrar ao público de todos os dias e momentos que são constantemente perdidos. Eu acredito que existem pessoas que não são vistas como artistas trabalhando e andando entre nós que eu documento. Por exemplo, o jeito que um trabalhador coloca a tinta na rua. Ou o jeito que o barista vai empilhar as cadeiras no final do dia. Eu me sinto sortudo de viver a vida que eu tenho.

Por favor, nos conte dos seus planos de viagens que estão por vir e a sua Câmera Lomográfica dos sonhos que você gostaria de levar!

Nenhuma viagem grande por agora. Eu vou para Los Angeles e Las Vegas para shows e encontros. Mesmo assim, tem sempre algo para se ver e capturar. Câmera Lomográfica dos sonhos! Ah, é difícil dizer uma, MAS LC-Wide Instant Perfection. Eu amo a lente grande-angular em uma câmera tão compacta. Junte isso com filme instantâneo! Tudo sobre ela tem a ver comigo.

Alguma dica para a nossa Comunidade Lomográfica sobre fotografia?

Abrace os erros – nem todas as câmeras foram criadas iguais. Algumas são apenas mais divertidas…

Estamos ansiosos para ver mais do estilo dinâmico, de retrato e fotográfico do Paul! Por favor, chequem o Tumblr dele. Paul também trabalha com as seguintes marcas: Generic Surplus, Freshjive, Retro Super Future e Urbanears.

written by jeanettelee on 2012-01-11 #people #vintage #vancouver #diana-f #fotografo #lomoamigo #retro #senho #inspiracoes #experimentais
translated by tatirc

More Interesting Articles